Entre em contato

Enviar Mensagem

Mensagens Categorizado: Desenvolvimento

Senso de Urgência
Senso de urgência: um grande vilão para os criativos

Devido algumas, nada boas, experiências me deparo constantemente com o famoso senso de urgência. Em alguns momentos ele até me serve de maneira com que eu realize uma tarefa rápida, mas na maioria das vezes esse senso de urgência adquirido por experiências passadas podem prejudicar muito mais do que ajudar.

Com base naquilo que vivi, em relação a trabalhos, empresas em que trabalhei, onde a política do “é para ontem” era constantemente aplicada nos funcionários e membros de uma equipe que trabalhava para o crescimento dessa empresa. Fui sendo moldado a reagir a todos os outros lugares onde passei da mesma maneira, era algo natural onde o job, mesmo com dias de respiro para ser entregue, era entregue “para ontem“.

Quando me vi fora dessas empresas que sugavam meu sangue até o último suspiro, comecei a pensar se seria possível reverter essa situação, o senso de urgência está imposta em grande parte da sociedade em que vivemos nos dias de hoje, mas eu não precisava mais servir a essa urgência. A prioridade era realizar meus trabalhos da melhor forma possível dentro de um prazo pré-estabelecido.

Prazo esse que me da tempo de pensar em tudo o que vou fazer, com isso resolvi escrever esse post falando sobre meu processo criativo, o que eu faço quando preciso fazer um novo trabalho mas não sei nem por onde começar, ou então aquele senso de urgência que adquiri com o tempo insiste em voltar e acabo atropelando todas as atividades à serem realizadas?

1.Antes de mais nada largo todos os materiais que costumo usar, tiro a mão do mouse, largo a caneta e coloco meus fones de ouvido. Esse é o momento que preciso analisar todas as informações coletadas pelo atendimento, analisar pontos positivos, negativos do briefing coletado. Então, apenas leia o que você tem em mãos.

2.Após analisar seus dados, volte para a caneta (se preferir abrir um bloco de notas no computador também serve) e esse é o momento de jogar para fora todas as suas ideias para o job. É o momento do brainstorm, o famoso palpite de ideias, rabisque na folha, escreva ideias absurdas, outras nem tanto, simplesmente escreva.

3. Nesse terceiro momento é hora de cruzar os dados que você tem em mãos, o que seria bom para o job com aquilo que você já tem sobre ele, imagine como seria o job, não como ele seria pronto, mas imagine as informações flutuando na sua cabeça. Deixe sua imaginação entrar em ação.

4. Busque referencias, tenho certeza que você tem aquele autor favorito, um desenhista que goste muito. Crie sua personalidade com tudo aquilo que você acha bonito, gosta e se inspire. Portanto esse é o momento de buscar referencias visuais para adaptar aquilo que imaginou em sua cabeça.

5. Por último, mas não menos importante, comece devagar, sem pressa a criar tudo o que pesquisou/imaginou. Coloque no papel, depois passe para a edição gráfica.

Essas 5 dicas podem ser absurdas para você, mas é como começo a criar algum job novo, o tempo é um grande aliado que o senso de urgência está nos tomando. Portanto respire fundo, foco no prazo e realize bons trabalhos.

Call-to-Action
Call-to-Action: o que é e como pode me ajudar?

Call-to-Action parece ser um termo difícil mas quando se tem compreensão do que se trata é de grande ajuda em relação ao aumento leads.

O que é CTA ou Call-To-Action?

Call-to-Action são práticas realizadas em qualquer tipo de site a fim de chegar no seu objetivo final. Em sua tradução “chamada para a ação” ou seja, links e direcionamentos que levam seu lead a realizar a ação final, afunilar até o final da compra, por exemplo.

Qual o seu planejamento em relação ao CTA?

Antes de mais nada, você já deve ter em mente um funil que chega até seu objetivo final. Dessa forma você pode direcionar seus diferentes tipos de usuários por caminhos objetivos que levem até o final do funil.

Por exemplo: temos tantos acessos em um e-commerce onde essa porcentagem maior é de novos usuários, levando em consideração iremos direcionar esses novos usuários a tipos de links diferentes dos clientes já fieis.

Sua audiência

Conhecer sua audiência é de extrema importância para saber de que modo agir em relação aos CTA’s. Como dito anteriormente, é importante o conhecimento de quantos são novos clientes e quantos são já fieis.

Quais os formatos de CTA?

Para a realização de Call-To-Action existem vários tipos de serem inseridos no seu site. Depois de analisar os diferentes nichos do seu público alvo e descobrir quais são seus interesses, partimos para a fase de testes, um pouco diferente do teste A/B que falamos em um outro post, esses testes servem para saber quais práticas são boas no seu tipo de ação.

Você pode utilizar práticas comuns dentro do seu site/blog ou loja. Como por exemplo:

Sidebar;

Texto (links)

Imagens

Comentários

Compartilhamentos em Redes Sociais;

 

Nesse passo o importante é a realização de testes para descobrir qual o melhor caminho, não existe uma formula única, afinal cada marca tem seu público em potencial.

Assunto do Post

O assunto do post reflete diretamente no modo como o usuário irá ser direcionado para outros links e ir afunilando o funil até o objetivo. O assunto deve ser relevante e de interesse do seu público.

Métricas e taxa de conversão

É importante que você tenha conhecimento dos resultados gerados, lembra que falamos sobre testes, tentativa e erro em relação aos CTA’s. Com o conhecimento em relação as métricas e taxa de conversão você irá confirmar aquilo que é bom ou ruim para seu objetivo.

CTA’s Inteligentes

No exemplo dado, falamos que uma parcela seria um público mais fiel em relação a sua marca. As CTA’s inteligentes serão direcionadas a eles, de maneira diferenciada dos demais. Mais objetivo.

Espero ter tirando um pouco da dúvida sobre CTA’s e ajudado a melhorar suas conversões.

Smarketing
Smarketing: você conhece o termo?

Em uma das pesquisas e aprimoramento que faço diariamente na agência, encontrei um termo que não conhecia e achei interessante, e bastante importante para o melhor funcionamento e crescimento das empresas.

Você já ouviu falar em Smarketing?

Provavelmente ja, mas não com esse nome, e é bem provável que você queira implementar essa prática dentro da sua empresa e melhorar o desempenho de duas importantes áreas..

O que é Smarketing

Quando pensamos em vendas, temos que pensar em algo diferente de marketing, afinal são suas áreas diferentes e com fins diferentes dentro da empresa, mas que possuem algumas características bem semelhantes e que são importantes para o crescimento da empresa. Um pode depender do outro tendo uma importância direta nas reações que um pode causar para o outro.

Tendo isso em mente, o que poderia ajudar a criar um bom relacionamento entre essas equipes?

É exatamente o significado de Smarketing , um alinhamento e uma boa relação entre esses dois setores.

Sale (vendas) + Marketing = Smarketing 

A boa relação entre esses dois times, no final, é de extrema importância. Afinal o time de marketing gera conteúdo para atrair e gerar novos leads e alimentá-los com materiais de qualidade, em união com o time de vendas que aborda de forma diferenciada e particular esses leads convertendo em potenciais clientes e fechamento de negócios.

Segundo a pesquisa que realizei, uma equipe de Marketing + vendas bem alinhados pode atingir uma média de 20% a mais no crescimento anual da empresa. Claro que quando uma empresa tem harmonia dentro dos seus departamentos e equipes os resultados serão mais visíveis e ambos.

Como alinhar as equipes, e o Smarketing realmente funciona?

Depois de entender o que é o Smarketing, pode parecer um bicho de sete cabeças, afinal estamos lidando com pessoas, mas o alinhamento dos departamentos em tese é bem prático e simples. O alinhamento melhorará o desempenho não somente da empresa, mas também dos que estão por trás de tudo.

Para corrigir e alinhar as equipes, você deve adotar algumas mudanças em relação a elas e se perguntar, antes de mais nada:

– Os objetivos de marketing e de vendas são iguais ou semelhantes? 

– A comunicação entre eles é transparente, ela funciona? 

Depois de ter respondido essas questões e saber mais sobre seus departamentos para integrar o Smarketing na sua empresa você precisa:

Que eles falem a mesma linguagem: as metas e receitas de marketing devem ser a mesmas do time de vendas.

Alinhamento de estratégias e vendas: As equipes de marketing e vendas devem entender que existe apenas um funil entre o computador e a vida útil do seu cliente. Dessa forma traçar, juntos, estratégias e gerar vendas.

Definir o Sales-ready Lead: em sua tradução literal é o cliente em potencial para fechar um negócio. Descobrir qual é esse cliente e traçar planos diretos.

Conhecer seu cliente: ambos os times devem compreender da melhor maneira possível seus clientes e gerar formar de atingi-los diretamente.

Crie um método de gerenciamento: gerenciar as equipes e traçar seus resultados para encontrar o que está certo e errado.

Bom, Smarketing não é fácil, mas também não é impossível. Com calma e muito trabalho as duas equipes unidas e alinhadas podem gerar mais resultados positivos do que negativos para a empresa.

 

Retenção de Clientes
Retenção de Clientes, uma estratégia eficaz

Você já parou para pensar o quanto conhece do seu consumidor final? Quais as diferenças que ele tem em relação aos outros usuários que não chegam a comprar um produto do seu site ou sua loja?

Nos dias de hoje, em relação a disputa e concorrência que empresas vem enfrentando, a retenção de clientes é um dos métodos eficazes para conseguir a tão sonhada fidelização de um consumidor. Um bom exemplo para esse caso seria as vendas de antigamente, onde os donos sabiam o nome de cada um dos consumidores, data de aniversário e gostos, podendo, com essas informações, criar um atendimento personalizado e diferenciado dos demais.

Porque não aplicarmos técnicas do mesmo gênero nos dias de hoje e então nos diferenciarmos das demais empresas. Hoje a experiência do usuário em sua loja, e-commerce é de extrema importância em todos os aspectos, desde o processo de pesquisa, até o último clique, o clique da compra.

Foco e Redução de Custos

Com o foco na Retenção de clientes, podemos perceber que o “antigo”método de conhecimento é bastante eficaz nesse caso, utilizar das ferramentas de marketing, e a expansão digital para melhorar o atendimento com seus clientes e então conseguir captar informações preciosas para a criação de ações mais especificas e direcionadas ao seu público. Conhecer de fato o seu consumidor e então agir de forma correta e diferenciada.

Deixar de lado a atração para focar na retenção pode ser uma boa estratégia quando o foco é reduzir custos, com a retenção você passa a conhecer e investir capital em campanhas diretas afim de solucionar e satisfazer o cliente no que ele realmente precisa, ajudando você, empresário, a saber o que realmente é produtivo.

Em outras palavras o uso do seu investimento é certeiro e sem perda de tempo, afinal você consegue direcionar suas campanhas para termos e produtos já buscados por clientes retidos em sua rede. Assim a “economia” é evidente, quando não é preciso gastar em algo que é novo e nunca foi trabalhado, podendo ter um investimento maior de capital e tempo.

Fidelização de Clientes

Em um contexto mais amplo, a Retenção de Clientes irá ajudar na fidelização desses clientes, aqueles que estarão envolvidos diretamente nas ações que irá tomar ao divulgar um produto ou fazer uma ação. Trabalhar na base de clientes já existente é importante e necessário para que ocorra essa fidelização e posteriormente o crescimento de receitas, afinal você terá uma base de clientes fieis, prontos para comprar da sua loja assim que houver uma necessidade.

Considere a hipótese de que seu consumidor já existente é muito importante para sua empresa, mas não deixe de lado os que virão naturalmente, foco na lista de clientes já existentes é uma boa estratégia para conseguir alcançar maior parte do seu público.

 

Integração Contínua
O valor da integração contínua 3/4

Continuando nossa série de artigos sobre os benefícios da utilização de integração continua no ambiente de desenvolvimento, veremos como ela melhora a visibilidade do projeto e estabelece uma maior confiança no produto sendo entregue ao cliente.

Melhorando a visibilidade do projeto através do CI

Integração continua provê a habilidade de identificar tendências e tomar decisões mais eficazes, ajudando a prover a coragem para inovar nas melhorias. A maioria dos projetos sofre quando não existem dados reais ou recentes para embasar decisões, então todos se baseiam no bom senso. Tipicamente, membro dos projetos coletam essas informações manualmente, tornando o processo cansativo e demorado. O resultado é que a informação, muitas vezes, nunca realmente é obtida.

Ao utilizar a integração continua, os benefícios na visibilidade do projeto permitem:

  • Decisões eficazes: Um sistema de integração continua pode prover dados em tempo real da build mais atual, contendo seu status e suas métricas de qualidade. Alguns sistemas de integração ainda podem mostrar taxas de erro e conclusão de funcionalidades.
  • Identificar tendências: Uma vez que integrações ocorrem freqüentemente em um sistema de integração, a habilidade de identificar tendências no sucesso ou falha de uma build, alteração na qualidade da aplicação e outras informações rotineiras se torna possível.

Aumentando a confiança do produto através da integração continua

Em resumo, a aplicação de práticas de CI podem aumentar a confiança na produção de um software. A cada nova build, a equipe sabe que testes são executados para verificar comportamento da aplicação, que padrões de design e programação são alcançados e que o resultado é uma solução comprovada.

Sem integrações frequentes, algumas equipes podem se sentir sufocados, uma vez que eles não sabem quais os impactos que uma modificação no código pode causar. Uma vez que um sistema de CI avisa quando alguma coisa dá errado, membros da equipe de desenvolvimento ficam mais tranquilos em realizar modificações. A utilização de um sistema de integração continua encoraja uma base primária onde todos os recursos do software são construídos. Existe uma maior confiança na acuracidade da solução sendo desenvolvida.

Com tantos beneficios em sua utilização, o que previne então, que equipes utilizem práticas de integração continua no desenvolvimento de suas aplicações? Freqüentemente, é uma combinação de fatores, os quais veremos na ultima parte de nossa série sobre o valor da integração continua. Fique ligado!

mobileDay
Mobile Day: A Evolução dos dispositivos móveis

A grande empresa Google vem promovendo bons eventos sobre o mundo digital e como aproveitá-lo da melhor forma possível quando se faz parte de uma empresa ou quando você é dono de uma empresa. Nas primeiras semanas de junho não foi diferente,a empresa apresentou a sua gama de usuários o Mobile Day, um evento para falar sobre o crescimento do mobile/dispositivos móveis e como utilizar todos as vias que essa tecnologia pode proporcionar, isso tudo da melhor forma a fim de atingir seu público alvo.

Por que Mobile?

Como qualquer tecnologia, o mobile mostra um grande avanço desde o dia em que começou a surgir no mercado. Dessa forma os números só tendem a aumentar cada vez mais, como por exemplo: mesmo o Brasil entrando na quinta colocação no uso de mobile, apenas 5% desse número são de empresas. Muitas vezes por achar que não tem necessidade se inserir nesse universo, elas acabam deixando de lado e investindo em mais do mesmo.

O mobile conseguiu uma evolução significativa com apenas um ano desde o seu crescimento, nós questionamos o porque ficamos na fila do banco seja para pagar uma conta ou fazer uma transferência se podemos, apenas com um clique fazer tudo o que precisamos com um celular? As pessoas estão se tornando mais dependentes do celular sem perceber.

Em outras palavras, o crescimento significativo do mobile muda a forma como o indivíduo atua em relação as atividades normais do seu cotidiano, o mobile ajuda e descomplica o dia a dia de pessoas cada vez mais ocupadas e inseridas em um mundo sem pausas. E com essa evolução as empresas não estão agindo para aprender as vantagens da mobilidade.

Site ou App

A estratégia que devemos adotar, quando repensamos o modo de inserção ao mundo mobile, muito se questiona sobre criar um mobile site ou um App. Somos apresentados a números diariamente, mostrando que as pessoas passam 14% em mobile sites e o restante 86% em app, seja eles de qualquer tipo. Mas é ai pode estar o erro, as empresas devem entender como funciona, suas funcionalidades, propósito, e funções, não será como o Desktop que pode entrar de cabeça, o mobile deve ser estudado antes.

Varia muito de empresa para empresa na hora de escolher o site ou app, uma tarefa rápida pode ser facilmente sanada por sites mobile ao invés de aplicativos. Já o aplicativo pode causar a fidelização do cliente, demonstrar o afeto da empresa x cliente.

Aplicativos podem ser baixado a qualquer momento, por isso a criação de um deve ser pensada em uma ótima estratégia para oferecer e complementar a experiência do cliente. A criação de um site em primeiro momento pode facilitar na entrada no universo Mobile.

UX 

A boa experiência é definitivamente tudo, no Mobile Day a experiência do usuário é extremamente simples na teoria, mas bem difícil na prática. A experiência de uso é um exemplo de como podemos facilitar as aplicações ou site mobile, com apenas um clique podemos chegar onde queremos, com apenas um clique podemos comprar algo ou chamar um taxi. O UX para mobile, limita-se a diversos problemas, um deles é o tamanho da tela, o conforto que iremos passar para o cliente até a finalização da compra, por exemplo.

Analisar onde o dedo irá chegar no botão sem ter que fazer muito esforço. Criar distrações no mobile é perigoso, afinal isso pode atrapalhar o clique final do usuário. A simplicidade no mobile deve ser apresentada nessas versões, priorizar funções principais em detrimentos de outras.

Anúncios Mobile

O uso do celular no dia a dia se tornou algo tão natural que muitas vezes os usuários não percebem que estão em constante mensagem através do mobile. Empresas deve entender que o celular nem sempre irá finalizar a compra ou uma aquisição. O mobile muitas das vezes é o suporte para a finalização.

No momento de anunciar nas redes móveis devemos pensar em algumas coisas e para quem anunciar, entender os processos de See, Think, Do, Care.

See: em primeiro momento é onde atingimos os usuários de uma forma geral, os consumidores estão conhecendo o produto, estão vendo o seu produto;

Think: é o momento de consumo, o usuário conheceu seu produto e compara com outras marcas conhecidas;

Do:  aqui é o momento da ação, onde o consumidor já conheceu, pensou na sua marca e comprou seu produto;

Care: o estágio final é para os usuários fiéis, o consumidor não precisa mais fazer pesquisa para dar o último clique porque já confia na sua marca e no seu produto/serviço. E é nesse momento que pensamos em um remarketing para atingir de forma diferenciada esses usuários.

Métricas

Para finalizar, o mobile é muito mais rico no momento de mensurar os dados obtidos e criar métricas de conversões. As métricas aqui são muito mais precisas e fortes do que em qualquer outro dispositivo. Afinal podemos analisar o que o usuário está realmente fazendo, download, ligações, links e uma infinidade de outras métricas.

O Mobile nem sempre é onde o usuário dará o último clique, por isso a métrica de investimento no dispositivo mobile deve ser analisado amplamente, afinal o mobile está presente em cada micro conversão até o clique final. As fases do processos devem ser qualificada por valores e ai sim a métrica será atribuída de forma correta.

O Mobile Day já está disponível no canal oficial para assistir a qualquer momento. Não perca mais tempo fazendo o errado se pode analisar, aprender e fazer o correto para atingir mais facilmente seu público.

TesteAB-Zaez
O que é Teste A/B?

Seus resultados são obtidos de que maneira, qual o método que você utiliza para alcançar um público especifico, com a mensagem certa? Não sabe? Calma, você conhece o Teste A/B?

O que é Teste A/B

O teste /AB é um método bem simples, com o nome bem explicativo, que pode te ajudar a encontrar o motivo certo de certas campanhas e ações darem certo e outras nem tanto. Vamos por partes, Teste A/B nada mais é do que um teste entre duas páginas, campanhas, imagens, seja o que for com o mesmo conteúdo mudando apenas alguns itens entre um e outro.

Essas pequenas alterações podem ocorrer em diversos lugares na sua página em questão, pode mudar alguma cor, algum elemento, texto, afinal a página A (original) continua como está desde a criação, e a página B (secundária), será onde as alterações ocorrem.

testes-ab

O principal objetivo dessas páginas, é gerar métricas diferentes, afinal cada página terá o seu público aleatório para que possamos mensurar a ação desses usuários frente a diferentes tipos de informações, elementos visuais e textuais, como será a reação de cada indivíduo referente a essas diferenças. Posteriormente, esses dados serão analisados, onde é feito um cruzamento identificando pontos fortes e fracos relacionando as páginas A/B.

Na Prática

Um exemplo clássico, pode ser visto nas páginas onde o principal objetivo é capturar e-mails, assinaturas de newsletter, onde podemos criar uma página normal, com todos os elementos necessários, e na outra página, adicionar apenas uma seta apontando para o campo de e-mail. A seta funcionará como atrativo visual, onde o indivíduo pode perceber mais facilmente e não passar batido pela página, o elemento visual pode chamar a atenção do usuário, basta saber como inserir na página, cores, etc.

Outro exemplo, saindo um pouco das páginas, seria os anúncios do facebook. Quando estamos criando um anúncio para o facebook, somos levados a escolher até 6 tipos de imagem para um único anúncio, dessa forma diferentes formas de propagar sua mensagem é gerado, o facebook cruza as métricas referente a cada imagem escolhida e a que obteve maior desempenho continua sendo veiculada. Um teste A/B mais complexo, por se tratar de vários tipos de imagem, mas segue o mesmo pensamento.

Conclusão

O Teste A/B é uma ferramenta util para todas as situações em que queremos testar alguma coisa, colocar a informação de diferentes formas para que o usuário te indique qual é a melhor e o mais certo de ser feita. Esse teste irá aumentar suas conversões e resultados referente ao tipo de campanha que deseja, seja converter em vendas ou cadastro em sua newsletter.

 

Fique de olho no Blog da Zaez que podemos dar dicas para utilizar o Teste A/B da melhor forma possível em diferentes tipos de projetos.

Integração Contínua
O valor da integração contínua 2/4

No ultimo post vimos como a utilização de práticas da integração contínua pode reduzir os riscos do desenvolvimento de uma aplicação. Continuando esta série sobre o valor do CI iremos ver como sua utilização nos ajuda a reduzir os processos repetitivos e nos garante um software sempre pronto para o deploy.

Integração contínua reduz processos repetitivos

Reduzir processos que sejam repetitivos, em todas as áreas de um projeto, como compilação de código, integração do banco de dados, testes, inspeções, deploy e feedback. Automatizando seus processos através do uso do CI, é adquirido uma maior habilidade em certificar que:

  1. Os processos serão executados sempre da mesma forma.
  2. Os processos serão sequenciais. Por exemplo, você pode executar suas inspeções (análise estáticas) antes que você execute seus testes.
  3. Os processos irão ser executados cada vez que um novo commit é apresentado ao controlador de versões.

Isto facilita:

  1. Redução do trabalho manual em processos repetitivos, liberando os contribuidores para executar trabalhos de maior valor.
  2. Capacidade de superar resistência (por parte de outros membros do time) para implementar melhorias ao utilizar mecanismos automatizados para processos importantes como testes e integrações ao banco de dados.

Integração contínua gera software consistente para deploy

Permitindo que você gera uma versão pronta para o deploy a qualquer hora, é por um lado, o beneficio mais óbvio de utilizar a integração contínua. Poderíamos falar horas e horas sobre o aumento na qualidade e riscos reduzidos mas ter uma aplicação sempre pronta para ir ao ar é o beneficio mais tangível aos clientes e usuários. A importância disto não pode ser sobrestimada. Com o CI, você pode realizar pequenas mudanças com frequência e integrar estas alterações com o resto do código regularmente.

Se existirem problemas, os membros do projeto serão informados e as correções serão aplicadas ao projeto imediatamente. Projetos que não adotam desta prática correm o risco de esperar até a entrega da solução para integrar e testar o software. Isto pode gerar um atraso, atrasar ou prevenir a correção de certos defeitos, causar novos defeitos enquanto você corre para concluir as correções e pode, em ultima instância, decretar o fim do projeto.

No próximo artigo, veremos como a utilização do CI melhora a visibilidade do projeto e estabelece uma maior confiança na qualidade do produto sendo desenvolvido. Até lá!

Integração Contínua
O valor da integração contínua 1/4

Um grande ambiente de desenvolvimento irá beneficiar tornando seus grandes desenvolvedores em excelentes desenvolvedores. Um ambiente ruim de desenvolvimento irá tomar a produtividade de seus desenvolvedores tornando-os ineficazes.

É especialmente importante para que cada time, e especialmente, os lideres desses times tenham seu ambiente de desenvolvimento em ordem. Para tal, duas grandes praticas têm ganho grande atenção nos últimos anos. Estamos falando do deploy continuo e da integração continua.

Nesta série de artigos, focando na integração continua, iremos procurar demonstrar as razões que fizeram a Zaez aplicar este conceito em todas suas aplicações, para assegurar a maior disponibilidade dos serviços para nossos clientes.

Os benefícios para a integração continua são:

  1. Reduzir riscos
  2. Reduzir processos manuais repetitivos
  3. Gerar sistemas que possam ser lançados a qualquer hora e lugar
  4. Melhorar visibilidade do projeto
  5. Estabelecer uma maior confiança no produto por parte do time de desenvolvimento

A primeira parte desta série procurar demonstrar como a integração continua pode reduzir a quantidade de riscos não somente durante o desenvolvimento, mas garantir que a versão em produção do sistema seja sempre estável.

Integração contínua reduz riscos

Ao integrar diversas vezes ao dia, é possível reduzir os riscos no projeto uma vez que facilita a detecção de defeitos, mede a saúde do projeto e reduz a necessidade de suposições

  • Defeitos são detectados e corrigidos mais cedo: Uma vez que a integração continua executa testes e inspeções várias vezes no mesmo dia, há uma grande chance que defeitos serão descobertos quando eles são adicionados (ex: quando o código é checado no repositório para controle de versão) ao invés de um teste no final do dia.
  • A saúde do sistema pode ser medida:  Ao incorporar testes contínuos e inspeções no processo automatizado de integração, os atributos referentes a saúde da aplicação, tais como complexidade e cobertura do código podem ser rastreados através do tempo
  • Reduzir suposições: Ao reconstruir e testar a aplicação em um ambiente limpo, utilizando as mesmas rotinas em uma base continua, você consegue reduzir suposições (exemplo: se você possuir bibliotecas de terceiros ou variáveis de ambiente)

Ao utilizar dos conceitos que a prática de integração continua introduz no ambiente de desenvolvimento, adquirimos uma rede de segurança que detecta erros que estão sendo introduzidos na base de código. Aqui na Zaez, através do uso de CI, conseguimos diminuir a ocorrência dos seguintes erros:

  1. Falta de software coeso, não lançável.
  2. Descoberta atrasada de defeitos
  3. Aplicações de baixa qualidade
  4. Baixa visibilidade do projeto

No próximo artigo desta série, irei abordar como a utilização da integração continua ajudou a diminuir a repetição de processos manuais através das aplicações, tais como compilação do código, integração do banco de dados, testes, entre outros.

istitucional-x-Propaganda
Vídeo institucional ou propaganda?

Rodeando a internet, em busca de mais conhecimento, vi um artigo interessante sobre as diferenças de vídeos institucionais e propaganda. Você sabe qual é a principal diferença entre eles? Saberia identificar um ou o outro? O interessante é que ambos são bem parecidos, mas com um diferencial enorme, deu pra entender? Se não continue lendo o artigo que vou explicar melhor.

Vídeo Institucional

O Vídeo Institucional tem a finalidade de promover somente a empresa, sem apresentar produtos, valores em dinheiro ou qualquer coisa relacionado a vendas. O institucional tem como objetivo principal a propagação dos valores da empresa. Lembra quando escrevemos de identidade visual e id. corporativa?

Onde a Id. Corporativa tinha como objetivo criar os valores internos da empresa? Criar missão, visão e valores, transparecendo o que a empresa ou o negócio realmente é, e para que ele veio? Pois bem, o vídeo institucional serve para isso, ele irá propagar a identidade corporativa da marca. Sem promover a venda de qualquer produto, claro que realizando um vídeo você pode criar um inconsciente de lembrança na cabeça dos consumidores e por consequência ocorrer uma compra, mas esse não é o objetivo principal.

Para ficar mais claro, vamos dar um exemplo. No meio de 2014 realizamos o ensaio fotográfico para um de nossos clientes. As fotos foram feitas para o catálogo de produtos onde, por meio dele, será realizado vendas com representantes/revendedores. Para promover essa ação e interagir entre os consumidores da marca, criamos junto um vídeo institucional mostrando como foi realizar esse vídeo:

O produto não é apresentado para vender, no vídeo mostramos apenas os processos realizados para criamos um produto de vendas. Mostramos o interior e a rotina do nosso cliente a fim de criar emoções e assim ocorrer a venda final.

Propaganda em Vídeo

Já a propaganda em vídeo, não é a ID. Visual e muito menos a Corporativa. Apesar de caminharem juntos, o vídeo de propaganda é simplesmente para promover um produto a fim de aumentar sua venda. A propaganda em vídeo tem a finalidade de mudar a percepção das pessoas.

A propaganda tem uma mensagem mais simples e direta, diferente do vídeo institucional. Ela quer influenciar o consumidor, e são de maior entendimento.

Se sua intenção é aumentar as vendas, o vídeo institucional pode ajudar, mas a propaganda em vídeo irá servir muito mais!

 

Para finalizar, basicamente o vídeo institucional irá mudar o modo com que as pessoas irão ver sua empresa, o modo como elas pensam, já a propaganda em vídeo você irá mudar o modo das pessoas agirem. Concluímos que trabalhar com ambos, um seguido do outro pode ajudar na fidelização do seu cliente.

Curtam e compartilhem, até a próxima!


Warning: call_user_func_array() expects parameter 1 to be a valid callback, function 'addcopy' not found or invalid function name in /home/zaez/public_html/wp-includes/plugin.php on line 503